Are you over 18?

By entering this site you agree to our Privacy Policy
To enter this website you must be of legal drinking age in your location.
Please confirm if you are of legal drinking age.

Viticultura

A raridade da casta Alvarinho, a baixa produção e distinção leva a que estas uvas sejam as mais valiosas de Portugal.

Origens

A origem da casta Alvarinho

Existem várias teorias sobre a origem da casta Alvarinho. Uns dizem que veio do Reno, outros, que veio da Grécia e outros (talvez os mais certos) que é originária do Nordeste da Península Ibérica, mais precisamente desta Sub-região, onde, ao longo dos séculos, se acomodou às caraterísticas do solo e do clima. Pelo decreto-lei no 275/73, em Portugal confirmou-se e legalizou-se a tradição.

Reservou-se a designação Alvarinho de denominação de origem ao vinho produzido exclusivamente na Sub-região de Monção e Melgaço da Região Demarcada dos Vinhos Verdes, onde existem as condições ideais de microclima e solo para o cultivo e maturação desta uva única e genuína. Como se tratam dos vinhos mais graduados da Região Demarcada, existe uma regulamentação específica para os mesmos.

Casta Alvarinho

A casta Alvarinho é um dos maiores tesouros de Portugal.

É considerada por reconhecidos experts a melhor casta branca portuguesa e uma das melhores castas do mundo. É da Sub-região de Monção e Melgaço que se revela e atinge o máximo das suas potencialidades, num território único, por razões naturais de solo e microclima. Monção e Melgaço, de curta distância ao Oceano Atlântico, mantêm-se protegidos dos ventos marítimos por montanhas numa suspensão natural que permite uma conjugação perfeita entre a pluviosidade, a temperatura e o número de horas de sol necessários à melhor maturação das uvas da casta Alvarinho. As vinhas plantadas em anfiteatros de singular beleza, a meia encosta, encontram-se assim num espaço soalheiro refrescado pelo curso do rio Minho.

Alvarinho é uma casta branca da espécie da vitis vinífera, que dá origem a cachos muito pequenos, alados e medianamente compactos, o que a torna uma casta pouco produtiva, aspeto contemplado nos estatutos da região, que lhe fixa um rendimento máximo por hectare de 60 hl contra o de 80 hl para as restantes castas. Dá origem a vinhos únicos, de personalidade e temperamento forte, facilmente identificáveis, com qualidades combinadas. De cor citrina e de aroma exuberante, o alvarinho é requintado, encorpado e robusto. Caracteriza-o a elegância, o equilíbrio, a mineralidade. A acidez e a frescura fazem com que sejam vibrantes e alegres. O título alcoómetro mínimo do vinho alvarinho é de 11,5% vol., muito acima dos padrões tradicionais dos restantes verdes (9%).

O ciclo da Vinha

Desde o cultivo ao engarrafamento.

A qualidade das uvas advém de razões naturais de solo e microclima, mas também de práticas culturais de quem trata delicadamente as vinhas e apura criteriosamente o melhor estado de maturação para as vindimar, fase capital para a definição da performance do vinho. Na vinificação, a Quintas de Melgaço segue os métodos e práticas enológicos tradicionais considerados mais adequados para a sub-região, que concorrem para extrair toda a qualidade das uvas que chegam à adega. É nesta fase que a Quintas de Melgaço imprime cuidadamente identidade própria aos vinhos que produz.

Previamente ao engarrafamento, os técnicos especialistas atendem a que o vinho apresente uma composição química correta, esteja devidamente límpido e apresente qualidades em prova. Para certificação, o vinho é submetido ao laboratório da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, que, após aprovação, emite os selos de garantia. O engarrafamento é efetuado com certificação visível na rotulagem e no respetivo selo de garantia da CVRVV apostos na garrafa. Para que o vinho evolua bem na garrafa, e tenha um bom comportamento no copo, preocupamo-nos com a qualidade da garrafa e da rolha.